Meio&Mensagem
Publicidade

Tela é coisa da geração passada

Assistentes pessoais, como Google Home, Siri e Amazon Echo, vão substituir o mobile first


13 de março de 2018 - 11h38

(Crédito: divulgação)

Em três anos, 30% da navegação na internet vai ser feita sem o auxílio de uma tela. Christopher Ferrel, Digital Strategy Director na Richards Group, explicou em seu painel como isso vai acontecer. Ele afirmou que assistentes pessoais, como Google Home, Siri e Amazon Echo, vão substituir o mobile first.

Para ilustrar essa vontade humana de falar com máquinas, Ferrel relembrou o IBM Shoebox, criado em 1961 e que entendia a voz humana para executar operações matemáticas simples. Hoje, assistentes artificiais inteligentes conseguem te ajudar montando sua lista de compras do mercado ou tocando Kenny G quando você chega triste do trabalho, tudo com um breve comando de voz.

Além disso, a naturalidade de realizar essas pequenas tarefas falando apenas uma frase contribui também para a acessibilidade de pessoas com necessidades específicas. Interfaces ativadas por voz para pessoas que não podem acessar ou ver telas tornam-se extraordinariamente relevantes.

E a publicidade, como fica?

Olhando o lado das agências, para mim, isso reforça algo que já havia ficado como resíduo do festival do ano passado: teremos mais um público para criar comunicação, as IA.

Hoje, enquanto temos uma navegação mais passiva na qual rolamos a tela em busca de algo que nos chame a atenção, esperamos que o algoritmo que monitorou nossos hábitos nos apresente os anúncios mais pertinentes. Com o uso da voz, vamos ser mais específicos em nossos pedidos. Então, quando alguém perguntar ao assistente qual é o melhor restaurante da cidade, por exemplo, precisaremos convencer o dispositivo a indicar ao seu humano que o ideal é o restaurante do nosso cliente.

Ok, Google! Como isso será feito? Por compra de mídia? Por qualidade de conteúdo? Por avaliações? Cri cri cri… Seguimos sem resposta.

Agora, uma coisa é benefício incontestável: as pessoas vão parar um pouco de olhar para o smartphone e vão voltar a olhar para cima. “Heads-down to chin-up”, segundo Ferrel. Quem sabe, as clínicas de ortopedia voltem ao seu volume de atendimento anterior.

https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/uso-abusivo-de-smartphones-tablets-forma-geracao-de-corcundas-18439752

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • South by Southwest

  • SXSW

  • SXSW2018

  • SXSWnoMM

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

Patrocínio