Meio&Mensagem
Publicidade

O trade show do Japão é muito Black Mirror

A quantidade de produtos e a alta tecnologia que se encontra são incríveis, parece que você está em um capítulo da famosa série Black Mirror


14 de março de 2018 - 10h40

O trade show aqui no SXSW acontece em um grande galpão, onde você encontra vários estandes de diversas empresas. O legal é que todos eles são organizados por país, ou seja, os brasileiros ficam perto de outros brasileiros, e assim por diante.

Os projetos são incríveis, cada um com sua peculiaridade. As máquinas da Alemanha, os membros robóticos da Indonésia, a diversidade de empresas do Brasil, desde alimentícia até de jogos em óculos em realidade virtual. Mas, dentre todas as amostras, com certeza o país que mais impressiona é o Japão.

A quantidade de produtos e a alta tecnologia que se encontra são incríveis. Parece que você está em um capítulo da famosa série Black Mirror. De verdade, é uma coisa louca!

Dos estandes do país que eu achei mais interessantes e diferentes, o que apresentava a Saya, uma personagem japonesa que se comunica através de expressões humanas é realmente surpreendente. Não é à toa que essa atração sempre tem fila.

Os japoneses também mostraram muitas novidades relacionadas à música, como um piano que já vem com um parceiro. O instrumento é bem legal para quem já sabe tocar algumas partituras, porque ele faz um dueto com você. Para mim, não rolou experimentar – se fosse um cavaquinho, eu até arriscava.

Tem também robô que toca Cajón. Esse robozinho é bem legal para quem quer ser “a banda de uma pessoa só”. Ele é um ótimo percursionista, e o mais legal é que muda de batida quando você manda, basta apertar algum botão do pedal (bem parecido com um pedal de guitarra).

Air DJ. Essa invenção japonesa serve para dar mais movimento para o DJ durante o seu trabalho. O produto é um par de luvas com alguns botões. Se o DJ movimenta sua mão para um lado, a música faz um efeito. Virou para o outro, o efeito muda. Aperta os botões e pronto: a batida está feita.

A mochila helicóptero. Esse foi o produto mais diferentão na minha opinião, já que nada mais é do que uma mochila com um helicóptero pessoal. Imagine que um dos exemplos mostrados pelos japoneses é que, ao invés de atravessar uma rua pela faixa de pedestres, o cidadão pode simplesmente sobrevoar a multidão de pessoas e chegar ao outro lado.

Falando mais sobre o VR, encontrei muitos estandes japoneses com várias empresas que trabalham com essa tecnologia. As mais interessantes são as que usam os óculos para fazer compras. Isso mesmo! O consumidor consegue ver e “tocar” na roupa que quer comprar.

Fiquei curioso para saber como funcionariam as regras para devolução de um produto se alguma empresa brasileira começasse a vender suas roupas através dessa tecnologia, já que a lei de defesa do consumidor possibilita o prazo de até sete dias para o mesmo se arrepender quando faz uma compra online. Com essa solução, o consumidor teria um contato mais próximo com o que deseja comprar, e a lei teria que evoluir junto da tecnologia.

Sushi Teleportation. Eu queria muito um robô desse, porque ele simplesmente faz sushi pra você! É incrível. Ele corta, aperta, enrola e pronto. Se eu conseguir economizar nas compras no outlet, vou voltar aqui e tentar comprar esse cara.

Conhecer essa pequena parte do Japão foi demais, e com certeza entrou para lista de lugares que eu quero conhecer algum dia.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • South by Southwest

  • SXSW

  • SXSW2018

  • SXSWnoMM

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

Patrocínio