Meio&Mensagem
Publicidade

A obsessão global pelo Metaverso é a prova definitiva de que o gamer venceu

Essa frase é do Paulo Aguiar, CCO da 3C.gg, uma das forças que impulsionaram o fenômeno do Free Fire no Brasil. Ele colou na Pródigo comigo pra assistir e debater um debate do SXSW sobre games, metaverso, NFT e mais buzzwords. Isso foi o que rolou, se liga:


21 de março de 2022 - 9h38

Crédito: Shutterstock

O debate tinha um título muito bom: “How to win in the future of games”, com dois caras bem importantes da cena: o Don Maguire, da Qualccom, fabricante dos processadores que estão praticamente em todos os mobiles não Apple ou Samsung; e o Craig Levine, da ESL Gaming Network, megapromotora de competições de games, que vai entrar com tudo nos games para mobile. 

O que mais me surpreendeu foi que, no meio desse hype alienado chapa-branca que tomou conta do South By com os novos donos, eles responderam à pergunta do título do debate. Sabe qual a chave pra vencer no futuro dos games? Comunidade. Games são o novo townhall, o novo ponto de encontro, a nova novela, o novo o que você quiser que junta as pessoas.

O Paulo estava bem animado pra assistir ao debate. Ele me explicou: “É importante o que a gente tá vendo. Esses dois personagens juntos representam um verdadeiro game changer pra cena dos games competitivos”.


Hoje tem três tipos de competição: as criadas pelos publishers tipo Garena ou Epic, as independentes, tipo Copa Nobru, e as criadas por essas megaempresas como a ESL. Pra você ter uma ideia, o campeonato mundial de Dota tem uma premiação maior do que a Champions League pro vencedor. Essas megacompetições são todas de games baseados em PC. Há um preconceito global com o mobile. Por coisas que nem rolam mais, velocidade, gráficos etc. Hoje o mobile tem todos os recursos e é acessível. Por isso o Free Fire é tão importante. Eles estão anunciando que vão promover competições de games mobile. Não disseram quais, mas se rolar de Frifas (free fire), vai ser uma revolução. E no geral, pros games mobile, é uma validação dos hardcore gamers, é uma aceitação no topo. 


Mudando o prato: agora o assunto é metaverso

Tem muita confusão sobre o que é o metaverso. Quando surgiu? De quem é? A verdade é que é uma coisa muito ampla. Gostei dessa definição: “O metaverso é um lugar onde suas posses/assets virtuais importam mais do que os físicos”.

“Agora, essa história de chamar tudo de metaverso é um pouco de empolgação demais. Vira uma catchfrase pra tudo, e não é bem assim. O que acontece é que a bolha dos games foi furada. Alguém que vê Second Life hoje fica maluco. A obsessão global pelo metaverso é a prova definitiva de que o gamer venceu”, Paulo me explica.


Por onde começa o metaverso? Dois territórios são bem óbvios: os games e, como sempre, a pornografia. O potencial de entretenimento que essa tecnologia abre é infinito. Não há limite de canais. Não há limite de nichos. A tecnologia para criar os universos é acessível. Tudo volta para as comunidades. Elas é que vão definir o que vai acontecer. Não será como nas redes sociais, onde há os gatekeepers, algumas empresas ditam as regras. Mas isso também abre uma série de questões. Quais regras serão aplicadas? Quais os limites éticos? Espero que a gente aprenda algo com a catástrofe humana causada pelo nosso experimento com as redes sociais.


Uma das tendências mais interessantes e assustadoras, mas também lógicas, é que as estrelas desse espaço serão personagens 100% sintéticos. Personagens criados por computador, realistas ou não, com personalidade, sempre disponíveis, sem estrelismos, sem cancelamentos, descartáveis. 

E as NFTs?


É complicado. Vou só dizer o que não vai ser: esse hype de comprar arte digital. É outro lance e não é moda passageira.

#Valeu

Publicidade

Compartilhe

Patrocínio