Meio&Mensagem
Publicidade

Tecnologia e inovação: de pessoas para pessoas

Em evento presencial, SXSW 2022 traz importante mensagem sobre como a tecnologia deve conectar pessoas


23 de março de 2022 - 19h08

Crédito: benimage/iStock

Na última semana, tive o privilégio de acompanhar os diversos debates do tradicional SXSW, um  dos principais eventos de tecnologia e inovação do mundo, que aconteceu em Austin, no Texas  (EUA).  

Como líder de uma empresa de tecnologia, uma das minhas grandes preocupações constantes  tem sido em como digitalizar a concessão entre as pessoas e proporcionar um maior acesso à  saúde e bem-estar através de ferramentas e soluções tecnológicas, mas sem perder o lado  humano. Durante o evento, tive a certeza de que estamos no caminho certo e que, cada vez  mais a tecnologia é um meio, mas o relacionamento entre pessoas e abordagens mais  humanizadas, é que nos diferenciarão frente a um cenário tão competitivo.  

Uma das tendências que me chamou muito a atenção, foi a chamada “Human Mode”,  apresentada durante a palestra de Rohit Bhargava, onde o autor reforça que estamos ficando  cansados da tecnologia que nos isola e passamos a valorizar experiências imperfeitas e  autênticas entregas realizadas por seres humanos. Bhargava é escritor do conhecido livro  intitulado “Não Óbvio”, que traz uma reflexão sobre algumas tendências – pouco óbvias, como  o título sugere – para o futuro. Segundo ele, conhecer e entender pessoas gera empatia, chave  para uma atitude colaborativa que, por sua vez, é uma das principais ações da jornada da  confiança.  

Confiança. Mais uma vez, refleti sobre o significado dessa palavra e como tento aplicá-la, todos  os dias, na melhoria de nossos negócios e segurança de nossos clientes. Mas para que isso fosse  uma realidade, nossa transformação começou pelas pessoas envolvidas na jornada, ou seja,  nossos colaboradores, que integraram um programa de transformação digital e hoje, se  tornaram embaixadores desse processo. Se hoje nossos clientes confiam em nossas soluções é  porque trabalhamos com pessoas dispostas a irem além, que enxergam resultados pouco óbvios  e fazem a diferença. E a base para que isso aconteça, certamente é a confiança que depositamos  nas pessoas e vice-versa.  

O advento da pandemia mudou a forma de nos relacionarmos no ambiente de trabalho e com  o mercado de modo geral. Se houve algo de positivo durante o período, certamente foi o fato  de as pessoas terem mais liberdade para destinarem o tempo e suas ações para atividades mais  alinhadas aos seus valores. Isso mudou nossa relação com o trabalho de maneira perene, nos  fez refletir melhor sobre o equilíbrio entre o profissional e o pessoal e hoje, é o grande  protagonista de um movimento global que se inicia nos EUA chamado de The Great Resignation

A apresentação de Ann Hiatt, autora do livro “Aposte em si mesmo”, jogou luz sobre esse tema.  Ann é uma veterana do Vale do Silício e já trabalhou com grandes nomes como Jeff Bezos  (fundador e CEO da Amazon), Marissa Mayer (ex-CEO do Yahoo!) e Eric Schmidt (ex-CEO do  Google). Durante o evento, ela defendeu a ideia de que precisamos aplicar o Princípio de Pareto ao nosso trabalho ou regra 80/20 – que alega que cerca de 20% do esforço que você dedica a  uma atividade são responsáveis por 80% do seu desempenho – para aprendermos a dizer “não” 

e priorizarmos atividades mais produtivas, além de utilizarmos uma maior parcela de nosso  tempo para estimular nosso aprendizado e criatividade. Segundo ela, quando nossos esforços  estão diretamente ligados aos nossos valores, nosso trabalho se torna empoderador e 

energizante. E esse é o caminho para evitarmos casos de burnout, e agirmos com mais  perseverança e alegria frente aos nossos desafios diários.  

Claro, embora tentemos aplicar tantos conceitos em nossas vidas, tudo ainda é muito novo e  estamos nos adaptando. Mas empresas e gestores precisam apoiar e, por que não, ajudar a  acelerar esse processo, seja pode meio de iniciativas que apoiem seus colaboradores e clientes,  seja através de condutas que contribuam para nos tornarmos, cada vez mais humanos e digitais,  de forma equilibrada, colaborativa, conectada e valorizando o human touch.

Publicidade

Compartilhe

Patrocínio