Meio&Mensagem
Publicidade

7 ilhas no oceano SXSW 2019

Imerso em um oceano de informação e conteúdo, cada participante vive uma experiência única no festival


12 de março de 2019 - 13h22

 

(crédito: reprodução)

Em Austin, quem se joga na água precisa encontrar sua direção em mar aberto. Mas, ainda assim, em meu nado diário nas correntezas texanas, encontrei algumas ilhas de concordância. Compartilho aqui algumas delas.

1- A Inteligência Artificial não é moda. É a revolução

A capacidade de cognição em máquinas mudará completamente o mundo em que vivemos. Ela ainda está na infância, mas transformará todos os negócios e relações, assim como fez a eletricidade um dia. Se o seu negócio, qualquer que seja, não olha para a I.A., deveria.

Quer ver um exemplo?
Olha este projeto para diminuir acidentes na China:

2- Com a palavra, o Design Conversacional

O site, e-commerce e app de sua empresa estão com os dias contados. O que surgirá no lugar? Uma boa conversa. Acha estranho? As interações humanas sempre foram pautadas em diálogos, e é isso que o design conversacional entregará para as marcas. Transformados em pessoas atenciosas, empáticas, que antecipam desejos e se preocupam com os outros, os bots e personal-assistant serão a chave para este novo mundo. Até 2021, haverá a mesma população de bots e cidadãos americanos nos EUA.

Confere só o que este banco italiano anda fazendo.

3- As métricas precisam mudar. Já

Como você avalia se a relação com seu filho vai bem? Certamente não é pela quantidade de vezes que você entra no quarto dele. Também não é possível dizer que, na sua empresa, o colaborador mais produtivo é o que mais e-mails envia. O marketing digital utiliza métricas que não fazem sentido algum, como impressões ou likes. O que realmente importa pode ser resumido numa frase: o que as pessoas querem, afinal? Ela é a mãe das métricas.

Até 2020, o cuidado com o cliente vai substituir preço e produto como a principal forma de diferenciar um negócio no mundo.

4- Philosophers wanted

Os algoritmos estão moldando o mundo, mas quem está moldando os algoritmos? Eles já nos ajudam a encontrar parceiros, empregos, viajar, divertir, locomover, conseguir crédito… Como fica a ética, moral e valores neste cenário? Como evitar que algoritmos criem e reforcem preconceitos? Como estabelecer barreiras? Pois é, precisamos de filósofos. E é pra já. Se ficar na mão dos engenheiros de software, a casa vai cair.

5 – A China não está de brincadeira.

1.5 bilhões de smartphones. Um governo que colocou a I.A. como meta de Estado. Empresas com bilhões de dólares disponíveis para investir. Uma população que não se importa em compartilhar sua privacidade. Os maiores projetos de smart cities do mundo.

A China será o trem-bala da I.A. no mundo em pouco tempo. É bom ficar de olho, pois vai passar rápido. Para compreender o tamanho deste gigante, confere esta apresentação.

6 – Glass Box > Black Box.

Durante anos, a imagem das empresas era determinada pelo que o CEO ou diretores desejavam comunicar. Uma caixa preta, mas com embalagem construída de acordo com a opinião de seus decisores. Hoje, a informação mais relevante sobre seu negócio vem das pessoas que trabalham nele e de seus clientes. Caiu na net. A cultura interna da sua empresa não pertence ao RH, é do mundo.

Basta relembrar o caso da Susan Fowler, ex-funcionária do Uber, que palestrou no SX.

7- Life is a sport team.

Segundo Douglas Rushkoff, autor do Team Human, nossa sociedade tornou-se desumanizada. As empresas atendem ao mercado de ações, não os clientes. As pessoas se adaptam à tecnologia, e não o contrário. Chegou a hora de desenvolvermos tecnologias que ajudem o homem a encontrar sua aptidão biológica ancestral: viver coletivamente. A discussão está na mesa.

Navegar é preciso. Agora é hora de zarpar das ilhas, encarando as águas densas do festival, cheias de conteúdo e informação.

Se quiser mergulhar com a gente, você pode escutar as palestras pelo SoundCloud.

Publicidade

Compartilhe

Patrocínio