Meio&Mensagem
Publicidade

A experiência em Metaversos do SXSW

Temáticas apresentadas no evento rompem barreiras entre o mundo físico e o virtual


16 de março de 2021 - 14h47

(crédito: divulgação/SXSW)

Após os primeiros dias de SXSW, onde o SXSW_EDU se transformou no piloto da plataforma de transmissão online, chegamos ao início do SXSW, que neste modelo agrega o Interactive, Music, Cinema e o novo XR.

Estamos vivendo tanto tempo em frente às telas, e já vimos de tudo neste último ano em termos de reinvenção do ambiente virtual, do trabalho ao entretenimento, que fica difícil imaginar algo que nos surpreenda ou que ao mínimo não nos fatigue.

Porém a equipe do SXSW procurou fazer um trabalho inédito em se tratando de transmissão de conteúdo online. Em um misto de on demand, lives e encores poderemos acompanhar o festival de uma maneira bem menos angustiante do que é no físico, como disse a Tracy Mann em nossa live “basta você ter tempo de ver mais de 350 conteúdos até a primeira quinzena de abril”.

Isso muda bastante a forma de consumo dos eventos online, e porque não dos físicos, e por si só já é um baita aprendizado ao mercado.

Além dos painéis e keynotes, poderemos acompanhar shows de música, filmes em premières exclusivas, espaços para networking, até mesmo uma área de feira onde poderemos contar com exibidores e as famosas casas dos países terão suas versões online de happy hours.

Até então nada tão muito novo, apesar de muito bem planejado e estruturado, certo? Mas que tal pensar uma experiência em outra dimensão?

Muito temos falado de Metaverso e os ambientes digitais simulados, e assim o evento contará com seu próprio universo. Austin foi recriada pelo estúdio francês da VROOM, que modelou lugares icônicos da cidade que recebem conteúdo do festival como o Paramount Theatre, a Congress Avenue, o Red River Cultural District, e a nossa querida Rainey Street.

Os espaços receberão conteúdos como painéis ao vivo, vídeos 360º, além de apresentações musicais, incluindo conteúdos brasileiros como o Under the Skin, que se passa na favela do Alemão e o show produzido pela agência Flow.Ers, BioMusic.

Como era de se esperar nada será como antes, nem mesmo o SXSW, os assuntos emergentes tomam conta da agenda do festival neste ano, e sem dúvida o futuro do trabalho, seja híbrido ou digital tem grande presença na programação, mas nenhum tem tanto conteúdo diverso como as realidades estendidas. São dezenas de eventos de experiência de imersão além de discussão sobre AR/VR/RX e Metaversos e como as experiências virtuais em ambientes modelados têm impactado nas indústrias em geral. Precisamos entender que o consumidor cada vez mais romperá as barreiras entre os universos digital e físico.

Na temática Transformando o cenário do Entretenimento poderemos ver como a indústria do esporte e entretenimento tem se reinventado diante dos desafios do distanciamento social através de realidades imersivas. Na trilha do Futuro Imprevisível veremos como a Moda está atuando em Metaverso, assim como Games e o futuro do entretenimento.

Em Conexão e Desconexão o tema aparece mostrando o futuro do varejo e das compras online, e como as redes sociais nos convidam a entrar nesta nova dimensão. Em Nova Urgência poderemos aprender como construir uma comunidade online mais autêntica.

Obviamente quando falamos do tema Desafiando o Caminho da Tecnologia isso se torna ainda mais evidente.

Mas não precisamos ir ao extremo para falar desta experiência, o Metaverso, a grosso modo, é a ideia de espaços virtuais que interagem com espaços físicos promovendo uma experiência de imersão e assim as plataformas de áudio que tem crescido muito nos últimos meses também fazem parte deste universo. O SXSW anunciou uma parceria com a Swel, plataforma de social áudio, e também uma sala especial no Clubhouse, além de todo o conteúdo gerado pela comunidade que já toma a agenda da plataforma. Tracy anunciou em nossa conversa que estará online todos as noites juntos com referências brasileiras do evento para debater os temas diários do evento.

Não há desculpas para você não mergulhar de cabeça no SXSW, e reinventar o futuro.

Publicidade

Compartilhe

Patrocínio